segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Sermãozinho metafísico

Os egos não passam de borbulhações na superfície plana entre o nada e a infinidade do logos, que emergem e tão brevemente retornam à sua origem. Sendo o logos infinito, tais borbulhações compoem a inifinidade do logos junto com todo o infinito resto do logos além dos egos. Conclue-se, então, que os egos são delimitações temporárias do logos que formam o conjunto infinito das delimitações temporárias do logos que, de fato, não são nada além do logos em si. O que se aproveita disto tudo? Que não há, por exemplo, distinção entre vida e morte; entre sempre e nunca; entre finito e infinito. Que não há razão para a razão e sequer irrazão para a irrazão. Que não há porque nos esforçarmos para entender aquilo não entendemos, pois tudo que deve-se fazer em relação ao que não se faz já esteve feito des de sempre. Façamos, então, aquilo que nos é tangível, apenas. Somos todos deuses supremos de si próprios e não há nada que esteja além de nós mesmos. A realidade de cada um não existe aparte de sua existência em si. Jamais caia cegamente na subjetividade de projetar ao futuro idealizações para a vida ou de nutrir especulações de como o passado poderia ter sido diferente. Todo agora que há de existir existe e sempre existirá. Aprenda a reconhecer e a viver plenamente o seu agora, não dispendiçando-o com adorações a "agoras" imaginários, mas claro, isto tudo caso tais ilusões não o fizerem bem, como é, freqüentemente, entre a maioria. Tomo base pela maioria não a favor de convenções, mas sim visando a única, e por si só já suficientemente justificável "vantagem" exibida pela mesma quando empregada: a maior abrangência. Sendo assim, quanto aos casos a parte, que saiabam interpretar suas próprias verdades, que de uma forma ou outra, serão sempre simétricas a todas as outras.
Sintetizando muito o que foi dito anteriormente e discursando-o de uma forma mais prática e aplicável ao dia-a-dia: caso você se encontre conflitando com algo comprovadamente imutável perante as suas potências, saiba que o conflito encontra-se no seu próprio ponto de vista, e não no objeto de sua queixa. Muitos já ouviram várias vezes e em diversos lugares o mesmo, e de incontáveis formas diferentes, certamente. Apesar de dificilmente concebidas, verdades absolutas são indestrutíveis e onipresentes.

A felicidade; a positividade, seja qual for o seu semblante, é o padrão.

Um comentário:

[lálálá~] Luana* disse...

você fala de mim :D

/linguacultatbm.rá!